Carregando, por favor aguarde
Cadastre-se e receba novidades
Assunto

Peixes

Segurança na piscicultura: você sabe quais os riscos e como se prevenir?

Segurança na piscicultura

Toda atividade, por mais simples que pareça, apresenta riscos diretos e indiretos aos envolvidos. A segurança na piscicultura é um assunto que merece a atenção de todos, tendo em vista que o trabalhador pode sofrer com alguns problemas enquanto cuida da produção. Todo cuidado é pouco no manejo com as espécies e no contato com os tanques.

Por mais que, em uma análise superficial, a atividade não apresente riscos maiores, o cotidiano mostra que a história pode ser outra. Diante disso, é importante conhecer a fundo todas as possibilidades e como se prevenir diante de cada uma delas. Neste post, você saberá melhor como manter a segurança na piscicultura!

Os riscos ocupacionais

Os riscos ocupacionais são os mais comuns em qualquer segmento de trabalho, o que não é diferente na piscicultura. Movimentos repetitivos e horas prolongadas na execução do trabalho podem ter consequência, principalmente se o trabalhador cuidar de muitas atividades sozinho.

Lesões de Esforço Repetitivo (LER)

Entre os riscos, o principal fica por conta das LERs. Problemas decorrentes dos movimentos comuns e repetitivos feitos no trabalho de piscicultura, porém, quando em excesso e realizados sem critérios e os devidos cuidados, podem causar consequências, como dores musculares, lesões na coluna, entre outros.

São problemas decorrentes de movimentos de curvatura das costas, ao pegar equipamentos no chão, por exemplo, ou ao se debruçar nos tanques e viveiros de criação. Quando esses esforços são prolongados e exigem muito do trabalhador, as lesões e as dores podem surgir com o passar do tempo.

O ideal nesse cenário é que o trabalho não se concentre em apenas um funcionário. Ele pode ser obrigado a realizar esforços excessivos, tornando mais grave qualquer lesão. Uma equipe dedicada às funções é ideal para que as atividades sejam divididas de maneira justa e igual entre todos.

Riscos ergonômicos

Há também os problemas ergonômicos, outra questão que influencia muito a segurança na piscicultura. A postura corporal errada durante o trabalho pode causar dores constantes e gerar incômodos ao trabalhador. Por isso, é importante não ficar muito tempo nas mesmas posições. Se possível, alongamentos podem e devem ser executados durante o expediente.

Os riscos ambientais

Riscos ambientais são naturalmente muito comuns e requerem medidas importantes de segurança na piscicultura. O contato com mares e rios, por exemplo, representam perigos muitas vezes sensíveis, mas que podem trazer consequências graves.

Afogamento

O principal dos perigos é o afogamento, que pode acontecer caso o trabalhador esteja distraído e se ele não souber nadar e, por acidente, cair na água, as chances de se afogar são grandes.

O ideal é que qualquer um que executar atividades nessas regiões, esteja usando coletes salva-vidas por precaução. Isso garante que um possível afogamento seja evitado. Uma equipe de resgate acompanhando os trabalhos também é de grande utilidade. O fundamental mesmo é garantir 100% a integridade dos trabalhadores.

Exposição excessiva ao sol

Seja na operação em rios e mares, ou na operação em tanques e viveiros, a exposição ao sol é uma questão comum aos trabalhadores. Nas duas situações há o risco de passar muitas horas sob a incidência direta dos raios solares, o que pode trazer sérias consequências. Os raios UV representam riscos para a pele, inclusive, contribui para o desenvolvimento de doenças mais graves, como o câncer.

Por mais que seja difícil se manter longe do sol, se proteger não é tão complicado assim. Primeiramente, a vestimenta deve ser a mais adequada possível. Bonés com proteção de pescoço ajudam a manter a região da cabeça bloqueada dos raios solares. Para o corpo, protetor solar e camisas bloqueadoras de raios solares completam o uniforme.

Além dos problemas de pele, muitas horas debaixo do sol sem proteção pode causar desidratação e insolação. O uniforme é essencial, mas medidas mais práticas como o consumo de água ajudam muito durante o trabalho. Essa reposição de líquidos evita qualquer desconforto.

Os riscos externos

A segurança na piscicultura também depende da proteção contra os riscos externos, ou seja, aqueles provenientes do manuseio de ferramentas e equipamentos. São itens essenciais às atividades de criação, mas que dependendo da maneira como são usados podem representar algum perigo para os trabalhadores.

Máquinas e ferramentas

Algumas dessas máquinas podem ter ruídos intensos e prejudiciais à audição, o que faz com que haja a necessidade do uso de protetores auriculares. A exposição prolongada ao barulho pode causar problemas mais sérios. Além disso, há aquelas ferramentas que são mais perigosas no manuseio e precisam ser utilizadas com cuidado.

Produtos químicos

Os produtos químicos são bem comuns na criação de espécies, geralmente usados para manter a água saudável e limpa. No entanto, o contato com a pele e com as vias respiratórias podem trazer riscos. É parte dos procedimentos de segurança na piscicultura o uso de luvas e de máscaras que reduzam o contato e a aspiração.

Além desses problemas, o contato com produtos químicos também pode causar queimaduras e, em casos mais graves, a depressão, perda de memória e, até mesmo, o câncer de pele. Todo manuseio deve ser feito com os EPIs corretos, como máscaras respiratórias e luvas.

Os riscos biológicos

O contato com as diferentes espécies e com a água pode ser perigoso. A contaminação representa um dos principais riscos, e liga o sinal de alerta para a segurança na piscicultura. As contaminações podem acontecer ainda que a criação seja feita com todos os cuidados possíveis no cotidiano das atividades.

Bactérias, vírus e fungos podem estar associados tanto às espécies quanto à água, meio natural em que elas são criadas. O contato do trabalhador é frequente, então, ele deve ser feito com o máximo de cuidado possível. O uso de máscaras e luvas é essencial, evitando que esse manejo represente alguma contaminação. Importante também ter o máximo de cuidado com acidentes com animais peçonhentos.

Exercer a segurança na piscicultura é proteger os trabalhadores dos principais riscos que a atividade representa. Como você viu, são os mais variados e que, na maioria das vezes, não são devidamente detectados. Agora você sabe mais sobre o assunto e pode proteger a si próprio e toda a sua equipe. Invista no bem-estar e qualidade de vida do seu time! Conheça os acessórios e EPI’s fabricados pela Sansuy!

Quer mais dicas e conteúdos informativos sobre piscicultura? Assine nossa newsletter e receba tudo diretamente no seu e-mail!

 

Powered by Rock Convert