Carregando, por favor aguarde
Cadastre-se e receba novidades
Assunto

Mercado

Melhoramento genético na piscicultura engatinha no Brasil

Assim como em outras culturas, o melhoramento genético feito na piscicultura garante que a produtividade seja mais rentável ao produtor.

Visite a loja de fábrica Sansuy, clique aqui. 

A piscicultura tem se desenvolvido no Brasil com velocidade no Brasil. Nos últimos anos, a atividade tem ganhado notoriedade e crescido exponencialmente. Antes vista como uma cultura secundária, atualmente ela tem recebido investimentos pesados, como em genética. Assim como as outras cadeias produtivas brasileiras, a piscicultura tem passado por processos para que a torne maior, mais moderna e competitiva no mercado nacional e internacional. A partir de estudos relevantes sobre o assunto e investimentos de empresas nacionais, a genética chega para colocar a atividade em outro patamar, assim como fez com outras a suinocultura e a avicultura, por exemplo. Mesmo assim, a tecnologia ainda está distante dos açudes das propriedades rurais. O melhoramento genético em peixes ainda é recente e pouco encorajador, mas muito importante para a evolução da produtividade e dos lucros do produtor, explica o engenheiro agrônomo e empresário do ramo de melhoramento genético em peixes no Brasil, Ricardo Neukirchner. “Podemos comparar o que está acontecendo hoje na piscicultura com o que aconteceu com o frango há anos. Apenas com uma grande diferença: os ganhos genéticos vão ser obtidos muito mais rapidamente, uma vez que as tecnologias estão dominadas e o grau de informação é muito maior”, conta o profissional, que trabalha com piscicultura na área de produção de alevinos há 22 anos. Neukirchner comenta que são diversos os benefícios que o melhoramento genético traz para a cultura. Ele informa que, com esse poderoso aliado, é possível produzir peixes com melhor desempenho zootécnico, menor consumo de ração, maior rendimento de filé e até mesmo resistente a doenças. Conforme o profissional, a genética pode contribuir até mesmo para o aumento do consumo de peixes no país, já que a tendência, com a evolução genética nos açudes, o preço se torne mais atrativo para o consumidor. “Com genética, o produtor vai ter melhor ganho e o consumidor vai ter preço mais baixo. Reduzindo custos de produção, conseguimos reduzir o valor do pescado para o consumidor final”, frisa. Outras vantagens que o melhoramento genético traz para a piscicultura estão “o ganho de peso por tempo de cultivo, melhor conversão alimentar, homogeneidade dos lotes e, muitas vezes, melhor rendimento da carcaça e melhor acúmulo de gordura”, acrescenta o doutor em Ciências Ambientais e pesquisador de piscicultura, Aldi Feiden. “A maior vantagem é que, com os cruzamentos das diversas linhagens do programa de melhoramento, obtém-se o maior vigor da heterose, ou seja, busca-se selecionar os indivíduos que expressem o melhor desempenho das características que se busca para ter os peixes mais produtivos”, explica. Começa no Alevino Neukirchner comenta que, como em outras atividades de produção, como gado, suínos, frango ou grãos, o alevino, nesse caso, é o início de todo o processo. “Se o produtor comprar uma semente de má qualidade, ele pode ter o melhor manejo, melhor alimento e uma somatória de fatores ambientais favoráveis, mas mesmo assim ele não vai ter sucesso, pois a semente é de má qualidade. É fundamental que o produtor busque genética de qualidade para sua produção (de peixes)”, alega. Ele diz que sem genética não se pode buscar o potencial máximo de produção, saudando em prejuízos enormes e, em muitos casos, inviabilizando a atividade. “Genética é o início de todo o processo”, reforça. Melhoramento no Brasil Feiden conta que desde a década de 1970 ocorreram importações de linhagens de peixes melhoradas no Brasil, financiadas por órgãos governamentais, como a importação de várias linhagens de tilápia e carpas no Nordeste do país para aumentar a pesca nos açudes daquela região. O doutor acrescenta que no Paraná, nos anos 1980, foram introduzidas várias linhagens de tilápias e de carpas pelo Centro de Piscicultura de Toledo, no Oeste do Estado, que na época era vinculado à Secretaria de Estado do Meio Ambiente. Hoje é vinculado ao Instituto de Pesquisa em Aquicultura Ambiental (InPAA), da Universidade Estadual Oeste do Paraná (Unioeste). “Isso fomentou a criação de peixes em viveiros escavados e a implantação de várias estações de produção de alevinos na região”, conta. Já em 1996 foi realizada a importação de uma nova linhagem melhorada da tilápia nilótica da Tailândia, feita pela Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento do Paraná, e a extinta Alevinopar, associação que reunia os produtores de alevinos do Oeste do Estado, lembra Feiden. Em 2005, a Universidade Estadual de Maringá (UEM) iniciou e conduziu o programa de melhoramento da tilápia nilótica em parceria com a Embrapa, com a linhagem Gift importada da Malásia. “Esta teve resultados muito interessantes, já que realizou o melhoramento por mais de 15 gerações de um grupo com 60 famílias, focando o ganho de peso dos animais”, conta o doutor. Feiden acrescenta que paralelamente houve a importação de uma linhagem, também da Malásia, por uma empresa privada, que recebeu o nome de Genomar Supreme Tilápia. “As atividades da UEM incluíram a participação de diversos piscicultores e universidades para testar a campo o desempenho dos animais em diversas regiões do Brasil”, informa. O pesquisador complementa que atualmente, com a descontinuidade do programa conduzido pela Embrapa e suas parcerias, principalmente com relação à tilapicultura, há um grande vácuo e incertezas quanto a novos investimento na área. “Em relação a programas de melhoramento de espécies nativas, há alguns projetos no Norte e Centro-Oeste do país com o tambaqui, mas nenhum programa amplo e de longo prazo, e sim estudos e pesquisas pontuais”, comenta Feiden. Ele diz que seria importante que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que recentemente incorporou o Ministério da Pesca e Aquicultura, por meio do Departamento de Pesca e Aquicultura, voltasse a investir, por meio de políticas públicas, em programas de melhoramento para as principais espécies de aquicultura, principalmente em programas descentralizados e envolvendo o setor produtivo, de forma planejada e continuada. Ricardo Neukirchner complementa que no momento, no Brasil, ainda há entrada de grupos muito fortes de fora do país que já trabalham com o melhoramento há muito tempo e dominam muito bem esse trabalho. “Com recursos de investimento pesados e conhecimento técnico na área, os resultados vão acontecer de maneira muito rápida. O avanço será visto e sentido em pouquíssimo tempo”, afirma. Espécies Melhoradas É possível observar muito claramente os resultados do melhoramento genético da tilápia no Brasil, segundo Neukirchner. “(A tilápia) é o peixe mais cultivado e importante na piscicultura do país. Com o melhoramento genético, hoje conseguimos produtividades muito acima das conseguidas anos atrás”, conta. Feiden também lembra que na década passada a Embrapa conduziu, em parceria com várias instituições públicas e privadas, um programa de melhoramento genético para quatro espécies aquícolas de importância econômica no Brasil, três de peixes, sendo a tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus), o surubim cachara (Pseudoplatystoma reticulatum), o tambaqui (Colossoma macropomum) e uma de crustáceos, o camarão branco (Litopenaeus vannamei). “Além deste programa, há diversas ações isoladas de pesquisas em melhoramento genético em nossas universidades e centros de pesquisas do país, além da importação de linhagens melhoradas por empresas produtoras de alevinos”, conta o pesquisador. Porém, Feiden conta que a grande dificuldade em iniciar programas de melhoramento genético para espécies de peixes das bacias hidrográficas brasileiras é o alto custo de implantação e manutenção de um programa por várias gerações. “Pois, para várias espécies de peixes, a maturação sexual de cada geração pode chegar até a três anos, como no caso de algumas espécies de alto valor comercial, como o pintado (Pseudoplatystoma corruscans) e o pacu (Piaractus mesopotamicus), por exemplo”, explica. Assim, para um programa para estas espécies precisaria pelo menos de um programa com 15 anos para haver um peixe melhorado geneticamente, complementa. Para o Produtor Neukirchner explica que o produtor, em geral, não deve pensar em ele mesmo fazer o melhoramento genético, uma vez que ele não tem os recursos e informações necessárias para conseguir resultados satisfatórios. “É impossível e financeiramente injustificável o produtor rural fazer o melhoramento na sua propriedade. Os investimentos são muito altos e pela baixa demanda o projeto não se paga”, afirma. Ele ainda acrescenta que o melhoramento genético só pode ser feito por grandes grupos, já que são necessários investimentos na casa dos milhões de reais, e somente com a venda de grandes volumes de alevinos melhorados geneticamente a atividade justifica o investimento. Feiden acrescenta que da forma como hoje está estruturada a cadeia produtiva da piscicultura, principalmente paranaense, focada na produção familiar, é muito difícil algum produtor ou grupo de produtores investir em um programa de melhoramento. “Isso devido ao alto custo de implantação e manutenção do programa”, explica. Ele diz que seria importante um programa de longo prazo, por meio de parceiras entre o setor privado e as universidades ou centros de pesquisa públicos, para as espécies nativas com potencial econômico. O pesquisador ainda acrescenta que, apesar de dificilmente os programas de melhoramento serem conduzidos por produtores, eles têm um papel importante nestes programas para fazer a validação dos resultados a campo e, com isso, avaliar e mostrar os resultados das etapas de melhoramento e discutir com os melhoristas os rumos a seguir. “Também, no caso da tilapicultura, é importante a participação do setor industrial no processo de avaliação dos resultados, pois, neste caso, o maior desempenho produtivo a campo pode não expressar o melhor rendimento industrial do pescado, e a avaliação pelas indústrias pode também auxiliar no direcionamento do programa e também a financiar estes programas de melhoramento genético, a exemplo do que aconteceu com o setor de rações para peixes, no qual as indústrias de processamento de rações foram muito importantes para a melhoria da qualidade das rações disponibilizadas ao setor aquícola nos últimos anos”, comenta. Os profissionais destacam como empecilhos outras exigências que são necessárias na propriedade para que o melhoramento genético seja feito. “É necessária e fundamental a presença de uma equipe técnica muito especializada, como geneticistas, por exemplo. Esses profissionais é que vão garantir o sucesso desse processo”. A forma de criação é diferente da engorda. “A estrutura específica para o manejo dos peixes é totalmente diferente de uma piscicultura de engorda, por exemplo”, esclarece Neukirchner. Feiden acrescenta que nas unidades de produção de alevinos geralmente se fazem ações de seleção de reprodutores, mas de forma massal e sem os critérios exigidos em programas de melhoramento genético. Mesmo assim, o pesquisador garante que tem mostrado alguns resultados positivos, principalmente em espécies nativas, mantendo plantéis de reprodutores que produzam alevinos de qualidade. “Este ainda é um setor em grande expansão e que não consegue produzir o suficiente para anteder a toda a demanda regional e nacional”, afirma. Além disso, ainda é necessário que haja o acompanhamento de profissionais da área para que o procedimento tenha os resultados esperados. “Todo empreendimento comercial de produção de alevinos necessita um responsável técnico, e um programa de melhoramento genético deve ser executado por uma equipe multidisciplinar que envolva todos os segmentos, como geneticistas, estatísticos, zootecnistas e outros profissionais das Ciências Agrárias, além dos piscicultores para fazer a validação dos resultados a campo”, entende. Ele diz que para que um programa de melhoramento genético tenha sucesso é muito importante o planejamento inicial e a condução por um logo período, para que se tenha o maior número de gerações sucessivas, pois em cada geração pode-se ter ganhos superiores a 15% em relação ao ganho de peso, que já foi observado pelo programa de melhoramento da tilápia.

(Fonte: O Presente Rural)